O novo conceito (de bilhetagem na nuvem) utiliza meios de pagamentos que já estão em uso pela população

“A mudança para soluções na nuvem facilita a interoperabilidade entre os sistemas de transporte público das regiões metropolitanas, permitindo que um usuário residente em Porto Alegre possa utilizar os modais em São Paulo ou Rio de Janeiro, por meios de pagamentos que normalmente já estão em seu poder, como cartões bancários ou aplicativos em celulares”, comenta Trindade10 maio 2021. Hélgio Trindade Filho, diretor de mobilidade urbana da Digicon

Technibus – Boa parte dos sistemas de transporte público dos centros urbanos do país tem divulgado a migração da bilhetagem eletrônica para a bilhetagem online ou “na nuvem”. O que isso significa exatamente?

Hélgio Trindade Filho – A bilhetagem online trabalha no conceito de cloud computing com uso de contratação de serviços na nuvem, que por sua vez contará com soluções baseadas em protocolos abertos que permitem facilmente a integração e convivência de diversos sistemas, e inclusive com um ecossistema já existente. O conceito atual trabalha com uma solução proprietária e dependente de instalação física em datacenters privados ou em salas das próprias empresas, o que necessita de um custo alto de investimento e manutenção.

O novo conceito utiliza meios de pagamentos que já estão em uso cada vez maior com a população, como cartões de créditos e débitos, aplicativos com carteiras digitais e QR Code. Os usuários poderão adquirir créditos por meio de aplicativos com conceitos de descontos, cashback e manter saldos em carteiras virtuais para uso frequente no transporte público e em todos os elementos que possam fazer parte de um conceito maior de mobilidade urbana e cidades inteligentes.

O modelo de arquitetura previsto facilita integrações permitindo a evolução do sistema e ainda permite estar cada vez mais interconectado ao futuro ecossistema de serviços e aplicativos de transportes amplamente integrados nos diversos modais existentes, permitindo integrações de soluções como carteira digital, VT digital, aplicativos para escola e estudantes, soluções para terminais de serviços, estações de embarque. Assim, a proposta para este módulo prevê atendimento a cartões virtuais com saldo na nuvem, garantindo transações financeiras autorizadas pelo Banco Central, com usuários eventuais, vale-transporte e escolar.

Em complemento ao conceito de bilhetagem online, não tem como fugir de uma nova visão da plataforma operacional e de software dos equipamentos (validadores embarcados) que passa a contar com recursos de sistemas abertos, modulares em hardware e software e, com pouca regra de negócio implementada para uso off-line, permitindo o uso de conectividade para autenticação e uso, com agilidade em plugar novos serviços e funcionalidades, além de instalação simples, apenas ligar elétrica e rede.

A mudança para soluções na nuvem facilita a interoperabilidade entre os sistemas de transporte público das regiões metropolitanas, permitindo que um usuário residente em Porto Alegre possa utilizar os modais em São Paulo ou Rio de Janeiro, por meios de pagamentos que normalmente já estão em seu poder, como cartões bancários ou aplicativos em celulares.

É uma solução inovadora e disruptiva, em que o sistema de gestão dos pagamentos pode ser comercializado como um serviço MaaS. Isto facilitará muito sua implantação e utilização. Os diferentes meios de pagamentos existentes se integram na solução de forma fácil com regras estabelecidas, propiciando a concorrência saudável de diferentes provedores já estabelecidos, dando opções aos usuários para escolher o que melhor lhe convêm.

Technibus – Quais as vantagens da bilhetagem online para o operador ou gestor? E para o usuário?

Hélgio Trindade Filho – Para os operadores, a tecnologia proporciona aumento de ganhos operacionais com redução dos custos com a implantação de um sistema de bilhetagem online, economia com servidores, infraestrutura e equipes de TI, local e equipes de atendimento, gestão de cartões do transporte, com aquisição, inicialização, distribuição, dos respectivos créditos eletrônicos e suas redes de venda. Os sistemas e equipamentos são de fácil instalação, configuração e operação.

Em monitoramento e controle, com a centralização das informações em tempo real da demanda e toda frota com indicadores de localização, ocupação e arrecadação, resulta em um     melhor controle financeiro, com acompanhamento do fluxo financeiro por dashboards inteligentes.

Para os passageiros, a bilhetagem online permite o uso de meios de pagamentos acessíveis por meio de aplicativo do seu celular, e outros meios de pagamento já usados amplamente pela população, como cartões de crédito ou débito.

Technibus – Em meios de pagamento, a bilhetagem online permite disponibilizar novas opções para o passageiro?

Hélgio Trindade Filho – Sim.  Na utilização de meios existentes, não proprietários, de fácil integração e segurança comprovada, pois são utilizados no Brasil e no exterior, suportados por empresas mundiais, como Visa e Mastercard. Ainda existe a opção de pagamento com soluções QR Code, também consolidadas no país, e soluções que venham a surgir neste mundo digital e em transformação que vivemos.

Technibus – E para o controle de fraudes, quais os benefícios?

Hélgio Trindade Filho – O sistema de bilhetagem online, não usa elementos tradicionais como créditos carregados em cartões, o que muda o foco da fraude que passa a ser no controle da origem dos novos meios de pagamentos, seja o uso em aplicativos, dispositivos NFC ou QRCode. Assim sendo, existem critérios de uso off-line em contingência, ou online que permite as ações de mitigação serem muito mais eficientes.  Pode-se fazer o controle por passageiros transportados, com mecanismos que possam comparar contagem de fluxo por meio de câmeras versus os registrados pelos validadores, incluindo as modalidades gratuidades ou pagantes; processamento de imagens e reconhecimento facial para usuários beneficiários; alarme de identificação de transações suspeitas a partir de comportamento de usuários ou transações efetuadas por QRCode e dispositivos EMV; rotinas de análises e monitoramento constante de comportamentos anormais no sistema, tanto de utilizações indevidas e mal intencionadas, quanto de ações de operadores ou terceiros; alarmes de possíveis invasões a base cadastral do sistema.

Technibus – Quais os principais cases da Digicon em bilhetagem online?

Hélgio Trindade Filho – A solução MobService tem um mercado muito abrangente, pois permite atender aos vários segmentos de mobilidade através de conectividade e segurança, agilidade em operar rotas e paradas flexíveis permitindo aplicação em operações de transportes urbanos, sob demanda, com opção de seletivo ou executivo, e sistemas rodoviários intermunicipais e interestaduais, com múltiplas tarifas, seccionadas (por trechos), por demanda, horários, bem como agendamento com reserva de assentos e com o uso do BPe nos casos dos sistemas rodoviários.

Technibus – Que produtos a Digicon desenvolveu para atender essa nova realidade dos sistemas de bilhetagem do país?

Hélgio Trindade Filho – Além do próprio MobService, a Digicon desenvolveu a solução pioneira de validadores com aceitação de dispositivos EMV (cartões, celulares, pulseiras, relógios) no MetroRio, quando teve a início da aceitação de pagamentos por aproximação em todas as estações do metrô na cidade do Rio de Janeiro.  Basta o passageiro aproximar do validador o seu cartão por aproximação de crédito Visa ou de outras bandeiras, celular ou dispositivo de pagamento e a cobrança da tarifa será debitada diretamente da fatura, sem custo adicional ou taxas.

O MetrôRio será a primeira operadora no mundo a usar a nova solução global Visa Secure Access Module (SAM), que permite a aceitação de qualquer cartão, celular ou dispositivo com a tecnologia de pagamento por aproximação, sem a necessidade de trocar sua atual infraestrutura de validadores.

FONTE: Technibus

0 Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado.